Playlist

sexta-feira, 4 de março de 2011

Miscelânea de Felicidade



“...Também gostava muito.
Se entregava a sorte assim, de olhos fechados.
O belo fica ainda mais belo, quando também é forte? Pois é.
Ela gostava de ver a vida a pé. 
Ainda mais quando ia de mãos dadas.

O céu está cada vez mais claro. 
Alguns pássaros começam a cantar. 
Tenho vontade de cantar também...

E tá tudo tão completo, que preenche o ser.
Os tons variam entre a delicadeza e a sutileza.
As formas, entre o imponente e o encantador.
Instigante...

E a menina, aumentava cada vez mais a sua paleta de cores.

Então uma canção brotou do fim de mim, e eu cantei...

Comigo, as coisas clareando aos poucos. 
Inúmeras experiências novas. 
As mais insólitas. Uma reviravolta completa.
E a alegria crescia, expandindo-se em muitas direções,
tomando conta das mãos, dos olhos, 
já transcendia o pensamento para se apossar do corpo inteiro.

E ela, caminhava colorido.

Tudo explodia num plano muito mais alto, muito mais intenso. 
Nos desvendávamos com a fúria dos que antecipadamente sabem que não vão conseguir jamais.

Esses códigos cobertos de flores.
Carregados de cheiros.
Transbordando de cores. 
Expelindo sabores.
Toma, guarda.Você sabe, ele disse. 
Que a melhor sensação é só sua.
Amarrou com um laço na ponta.
Toma, leve um sorriso meu. 
Um brilho disparou de seu olhar.
Olha, está chovendo lantejoulas.

É um vento mágico, dizem.

É que há nuvens.
E quando as nuvens se amontoam, chove estrelas e lua.

E o essencial eram as coisas que coloriram a minha vida.

Uns cheiros, uns charmes. Essas coisas. Daquelas noites, sabe?
Em que você é super-herói, gueixa e a princesa do castelo.
Daqueles amores fundamentais.
Daqueles sabores essenciais.
Sentimentos diversificados.

É quando a noite é de lua que ri.
De delicadezas que envolvem.
No encontro de olhos,
Soerguem flores.

CHEIA DE LUZ...
E o mais bonito foi quando ela descobriu.
que podia ouvir e entender estrelas.
Só quem ama pode.

Aquele astral, bonito.
E foi assim. Desde a hora que abriu os olhos.
Teve certeza: hoje, seria um dia mágico.

Coisas grandes, pequenas. Algumas.
Esse era seu maior prazer. 
Redescobrir magias.
Pequenas felicidades certas.

Feito música para os ouvidos.
E ela cantava. Contava. Encantava. Recontava. 
E, cantava.

Agora faça um ar de... de absoluta pureza... 
Olhe por cima de todo mundo, para bem longe. 
Você foi tocada por forças mágicas enquanto dormia!

Devolveu em tons de azul, 
todo o vermelho que havia recebido.
É que, tudo o que é suave. 
Toca mais fundo.

...É hora de fazer tudo o que sempre quis.
E é maravilhoso ver que tudo que sempre quis.
É simples, belo, acessível, fácil, do bem.

Que essa felicidade me deixe com o coração disparado, 
mãos úmidas, olhos brilhantes.

Para despertar o vivo de dentro.
Dentro dessa divisão. 
Do que se pode controlar.
Teve certeza.
Aquilo que não podia explicar, era o que se chama de incontrolável.
Gostava do que sentia. E o que tinha, nunca era demais.
Como era feliz aquela rosa.

Para manter o eterno Verão atrás da janela, 
eu cantaria até o amanhecer!

E é assim, quando ela estreita os laços de uma palavra sensível.
Agrega valor.
Registra o momento, aqueles que merecem eternidade.
Caminha entre categorias.
E deixa rastros. Listras. 
Costura a estrela. 
Aqui, o instante é.

Desfilava sua alegria, em tons de magenta.
Pintava o set.
Feito criança esperando o grande evento.

Daqui, de onde o vento sopra em lá.
Mando um beijo, em sol. 
Pra esquentar...

Fica fácil sonhar quando é real. 
É como se fosse a continuação da realidade. 
A vontade de permanecer sentindo...

Quando abriu os olhos, um clarão lhe tomou.
A única coisa que conseguiu, foi ouvir os pingos de chuva.
Um vento, desses de brisa, lhe acariciou o rosto.
E, aos poucos, muito lentamente, foi retomando os traços.
E teve certeza, pra sua felicidade, aquilo era real.

E teve um que lhe pareceu essencial.
Aquele que tornaria o seu dia ainda mais bonito.
Depois daquilo, um sorriso enfeitado de borboletas foi plantado. Ali.

Respirou fundo. Suspirou.
Era tão grande, que nem cabia dentro de si mesma.

Porque hoje cabe um mundo dentro de mim.

Ligeiramente misterioso.
Delicioso de se descobrir.
E eu, me apaixono. Mais, e mais, e mais. 
Sem ter fim.

Por trás do que acontecia, 
eu redescobria magias sem susto algum.

Ando com uma felicidade doida, consciente do fugaz, do frágil.
Hoje, o meu coração está cheio de alegria.
E, vamos combinar, sensação melhor, nem tem.
Se metade do que vivemos é mentira, as minhas são as mais bonitas.

Este momento era único -  e ela teria durante a vida milhares de momentos únicos."

(Juliana Alves)

Um comentário: