Playlist

domingo, 1 de maio de 2011

Pra quem quer dançar com a vida




Desilusão é quando nos damos conta de que um sonho bom que sonhamos acordados é tão enganoso como o sonho ruim que nos visita, vez ou outra, enquanto dormimos. É quando precisamos, mais despertos do que nunca, entrar em contato com a realidade. Olhá-la nos olhos, sem desviar o sentimento. Tocar a sua face e sentir a textura por vezes muito árida da sua pele. Ouvir, com todo ouvido de que somos capazes, as coisas geralmente difíceis que tem pra nos contar. Depois, caminharmos lado a lado, ainda confusos, ainda doídos, mas começando a sentir, bem devagarinho, que há também uma espécie de alívio que somente ela oferece.

Não há como se viver sem se correr o risco da ilusão e da desilusão. Até onde eu sei, não inventaram nenhum medicamento preventivo. Para se iludir e para se desiludir basta estar vivo e ter expectativa. Ideal talvez fosse experimentar a liberdade de não termos expectativa alguma, quem não espera não se frustra, mas essa me parece uma proposta ainda de difícil experimento, na prática. Quem quer pagar o preço de dançar com a vida, essa parceira de movimentos lindos e imprevistos, está exposto o tempo todo ao prazer e à dor enquanto baila no salão. Alguns, preferem permanecer sentados, olhando de longe, acompanhando com os pés e com o medo, solitariamente, o ritmo da música; acham mais seguro, embora a dor com as ardilezas dela chegue até eles mesmo assim. Outros, preferem levantar, dançar como sabem, dançar como podem, dançar com medo, e correr o risco de ser felizes também.

Estou desconfiada de que a gente cresce quando começa a aprender, com o sentimento, muito além da retórica, a não permitir que uma desilusão ou outra nos afaste de nós mesmos e nem dos nossos sonhos mais bonitos. Estou desconfiada de que a gente cresce quando é capaz de entender que estar vivo é perigoso, sim, é trabalhoso, sim, mas também é uma oportunidade rara e imperdível. Que há que se pagar o preço, se a ideia é ser feliz e inteiro, até onde a felicidade e a inteireza são possíveis. E que se pagando o preço, e que se correndo os riscos, existe a possibilidade de conseguirmos, em algum momento da nossa dança, tocar a face da realidade de forma terna e genuína e descobrir algo quase inacreditável: que por vezes a sua pele também pode ser viçosa. De verdade. Muito além até de qualquer sonho.

(Ana Jácomo)

Um comentário:

  1. Fiz magia com todas as cores que tinha
    Fiz aparecer na tela um tocador
    Pintei-lhe um violoncelo a preceito
    Mas ele não sabia tocar uma música de amor…

    O amor nunca acontece sem amor
    Esta coisa do amor será fantasia?
    Será uma noite vestida de nostalgia?
    Será planta envergonhada que floresce ao fim do dia?

    Seja o que for, tem o nome de amor
    Acho bem que seja assim
    Há quem diga que se enraíza para sempre
    E floresce como planta de alecrim

    Doce beijo

    ResponderExcluir