Playlist

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

De bélicos amores: as cicatrizes



À memória me vem clarões do que antes fui...
Página em branco, trama inteira...
Mas a vida, astuciosa escrivã,  
Com suas tenazes penas, me crivou...

Romances primaveris, dramas mexicanos...
Tragédias gregas, decepções mundanas,
Não importa... Inevitáveis marcas imprimem em nosso ser.
Sem dúvida, as mais profundas são as chagas do coração.

Ao amar quem não nos ama, rudes pregas de mortalha
São cinzeladas sobre nosso corpo heróico,
Posto em cruz, na solidão de um campo de batalha.

Trago no peito, marcas extraordinárias de amores
Que abracei de olhos fechados, um salto no abismo...
Ousadia necessária à vida, que nos custa indeléveis feridas.

Minha alma despida, epístola em braile a ser decifrada.
A epigrafia desses relevos, erosões imprescindíveis...
Idealiza minha dolorida e orgulhosa biografia.

Que importa nos vença os desenganos,
Se pudermos contar nossos anos
Pelas cicatrizes talhadas na rocha da sobrevivência...
Degraus evolutivos ao pódio da existência!

(Juliana Alves)

2 comentários:

  1. Olá Juliana!
    Saudades daqui...
    Que texto lindoooooo, nossa, adorei!
    Nossas vidas são cartas, somente quem é dono dela consegue decifrar.
    bjssssss

    ResponderExcluir
  2. Lindo, lindo, lindo ! Parabéns viu.

    Beeijoss

    ResponderExcluir