Playlist

segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

Do que era....



Era a minha fome, era minha loucura, era minha lâmina, meu arrepio, meu sopro, meu assédio, um teorema infindo... 

Sublimou em buraco negro o lugar de meu coração, voragem a desregular o modo de funcionamento de minha alma, de minha relação com meu próprio discurso, conjecturas vãs e suficientes até então. Agora, o suficiente se tornou apenas o necessário. 

O amor não é um lugar – era essa a minha certeza eclesiástica desenhada pela minha voz a mim mesma. Você desregulou a fórmula: o amor é um lugar? O amor materializou-se em um corpo. 

Sei que estou idealizando, eu sei. Sei que tudo é pretexto, falando de mim, só de mim, sei que estou aceitando a possibilidade (e ainda usando você como pretexto) de que a fórmula anterior se torne o oposto, assim: o amor é um lugar, chave central da ficção que temos que ser se quisermos que a vida seja possível, pelo menos. Não, também não concordo com isso, o que pouco importa, porque, afinal as coisas são tais e quais a nossa fragilidade permite dizê-las. 

Ah, e essa fragilidade, sempre subentendida em minha essência, fala alto sobre você... Até mesmo em silêncio, na prece exalada pelos meus poros, impetrando o lugar que ainda não cheguei, o amor.

(Das memórias de um coração errante...)

(Juliana Alves)

Nenhum comentário:

Postar um comentário