Playlist

sábado, 10 de março de 2012

Desfazendo o(s) nós do coração


A verdade é que você nunca me perdeu realmente, sempre fui sua, se não de corpo presente, mas de alma, pensamentos, coração sempre perenes na busca de lhe trazer pra perto, concretizar um amor, que só existiu e existe em meu peito...

O que é o corpo? Sagrado? O seu? O meu? Aponte a arma, jogue a primeira pedra quem nunca teve o seu profanado! Por escolha, por fraqueza, por prazer, dor, carência, indecisão, confusão, tesão, no esbarrar de uma mente perniciosa, não importa o motivo...

E a alma, e o coração? De todos esses são impuros? São seres vis, não dignos de qualquer afeição? São todos condenados ao desprezo de uma humanidade desumana que não enxerga a si própria e quer condenar o que ela mesma comete, achando-se o poço da perfeição... e esquecem que perfeição e humanidade são antagônicos!?

Se estamos aqui na Terra é pra errar, acertar, aprender com cada tombo, aparar nossas arestas e nos tornar cada vez mais próximos da essência divina que nos foi dada.

Se errei e erro, tenho esse direito! Isso não me torna menos valorosa, perante nem os olhos de Deus, que me ama, me acolhe, entende minhas dores e me perdoa, quanto mais aos olhos de um igual!

Mas há de chegar o dia, que realmente me perderá, que guardarei meu amor, esse valente cansado de guerra, e não mais buscarei a você para entregá-lo, pois se as questões corpóreas e de aparência lhe atingem, não é merecedor das questões do amor e da alma...

Como li e acredito, quem não tem preparo pra aceitar erros e imperfeições, e perdoar, não está pronto para amar! Amor não é concedido ao perfeito, senão seria muito fácil. Amor é para os fortes e nobres, capazes de enxergar o que está por detrás das aparências, das fraquezas decorrentes, na sinceridade de cada cuidado, de cada carinho, de cada perdão e acolhida, enfim no íntimo do coração!

(Juliana Alves)

Nenhum comentário:

Postar um comentário